Prémios

Prémios

ARCOmadrid encoraja o patrocínio empresarial

ARCOmadrid mantém o seu compromisso de recolha, promoção de artistas e o desejo de fomentar contactos que impulsionarão as compras na Feira. Por ocasião da ARCO, empresas privadas nacionais e internacionais juntam-se às iniciativas para promover aquisições e o reconhecimento da criação artística através da atribuição de diferentes prémios. Algumas destinam-se à produção de obras que mais tarde poderão ser vistas na Feira; outras recompensarão algumas das obras exibidas pelas galerias da ARCOmadrid. E todos eles reconhecem e promovem a criação artística, por vezes ligada a aspectos que são identificados com as marcas que os promovem.


Laia Estruch Mata, vencedora do 6º Prémio de Arte Emergente Cervezas Alhambra

A artista Laia Estruch Mata ganhou a 6ª edição do Prémio de Arte Emergente Cervezas Alhambra pela sua obra, 'Zócalo', uma peça feita em colaboração com o artesão Eloi Bonadona. É uma estrutura cerâmica cilíndrica, baseada na tradição cerâmica local da aldeia de Quart, em Girona, que se assemelha a um instrumento de sopro e se baseia nos telhados perfurados e abobadados dos banhos do Palácio de Comares, em Alhambra.

A decisão do júri foi anunciada a 24 de Fevereiro, depois de avaliar o trabalho dos finalistas. Tal como em anos anteriores, o painel de peritos que seleccionou esta peça como vencedora do Prémio Cervezas Alhambra de Arte Emergente foi composto por profissionais do mundo da arte nacional e internacional, tais como Javier Hontoria, Director do Pátio Museo Herreriano; Juan Antonio Álvarez Reyes, Director do Centro Andaluz de Arte Contemporáneo; Jimena Blázquez Abascal, coleccionadora, curadora e crítica de arte; Patrizia Sandretto Re Rebaudengo, Presidente da Fundação Sandretto Re Re Rebaudengo; Imma Prieto, Directora do Museu Es Baluard; Martina Millà, Chefe de Exposições da Fundação Joan Miró em Barcelona; Rocío Díaz, Directora-Geral do Patronato de la Alhambra y Generalife; e Álvaro Trujillo, Gerente de Marca Territorial de Cervezas Alhambra.


A artista equatoriana Ana Navas ganha o 15º Prémio illySustainArt na ARCOmadrid2022

A artista equatoriana Ana Navas, da galeria alemã Sperling, ganhou o 15º Prémio illySustainArt na ARCOmadrid2022.

O júri, formado por Patrizia Sandretto Re Rebaudengo, coleccionadora e fundadora da Fundação Sandretto, Catalina Lozano, curadora, Pily Estrada, curadora e adida cultural da Embaixada do Equador em Paris, e Carlo Bach, Director de Arte de illycaffè, reconheceu este jovem artista, que investiga a geneologia dos objectos através da combinação de várias formas de arte, tais como esculturas, vídeo, pintura e performance.

Com isto, atribui mal um prémio de 15.000 euros, sem a compra da obra, para que ela possa continuar o seu desenvolvimento artístico. Pelo décimo quinto ano consecutivo, este prémio reconhece o trabalho de artistas latino-americanos de países produtores de café nascidos depois de 1981.


LEXUS atribui o Prémio de Melhor Stand e Conteúdo Artístico à galeria Rolf Art

A Lexus, parceiro oficial da ARCOmadrid 2022, atribuiu o Prémio de Melhor Stand e Conteúdo Artístico da edição à galeria argentina Rolf Art, com um prémio de 10.000 euros. Um prémio que visa destacar não só o grande trabalho que todos os artistas fazem nas suas galerias, mas também aqueles que se destacam pela sua apresentação.

Nesta segunda edição, o Prémio de Melhor Stand e Conteúdo Artístico foi julgado por Estrella de Diego, ensaísta e professora, Universidad Complutense de Madrid, e José Luis Blondet, curador de Projectos Especiais, LACMA Los Angeles.


A 17ª edição do prémio ARCO/BEEP de arte electrónica foi anunciada

Nesta ocasião, o prémio BEEP foi atribuído a "Echo", uma obra de Lúa Coderch, Julia Múgica, Lluís Nacenta e Iván Paz, apresentada na Galeria àngels Barcelona.

O júri valorizou esta criação colectiva que reformula, numa chave contemporânea, o mito da ninfa Eco, materializando-se num objecto pós-humano junto ao qual se encontra um pequeno banco que permite ao espectador interagir. "Echo" responde e conversa no limite do (in)congruente e, de certa forma, coloca uma alegoria da nossa necessidade de encontrar correspondência.

Os artistas indicam que este trabalho "funciona como um corpo entre corpos", actua na sociedade articulando declarações que revelam a nossa dificuldade em compreender o que está a ser dito e tentando falar com um mínimo de significado. Não é apenas o muro à distância que nos devolve, com um atraso temporal, o que dissemos, mas uma "deriva" linguística que não exclui um tom humorístico. Logo quando começamos a vislumbrar o fim do distanciamento pandémico, esta "eco-objectivo-verbal" pode talvez simbolizar um desejo de proximidade, a ânsia de que as conversas possam ser as que nos correspondem. Invocar o Eco significa que resgatamos do esquecimento um ser desprezado pela Narciso, algo que merece ser verbalizado.


East Contemporary, vencedor do VIII Prémio Allianz de Abertura na ARCOmadrid 2022

A galeria East Contemporary, de Milão, ganhou o VIII Prémio Allianz de Abertura. Este prémio recompensa o melhor stand da secção com um reembolso do valor do seu espaço na ARCOmadrid 2022.

Um júri formado por Yina Jimenez, Curadora em geral, Caribbean Art Initiative; Adeena Mey, Editora Gerente de Afterall; Claudia Segura, MACBA; Bernardo Mosqueira, Curador do ISLAA New Museum Fellow, reconheceu assim o trabalho dos artistas Nour Jaouda e Anna Bak, representados pela galeria vencedora.

A East Contemporary foi premiada pela sua forte abordagem curatorial que o júri considera extremamente relevante de um ponto de vista estético e político. Através de uma exposição cuidadosamente orquestrada, as obras de Ania Bak e Nour Jaoudia criam uma conversa entre diferentes tradições e meios de comunicação que complicam a compreensão dos movimentos dos artistas e das geografias através das quais a cena da Europa de Leste se encontra com o Mediterrâneo Negro.


Irma Álvarez-Laviada ganha o Prémio Pilar Forcada ART Situacions 2022

O Prémio Pilar Forcada ART Situacions 2022 Pilar Forcada, no valor de 15.000 euros, foi atribuído no dia 24 de Fevereiro na ARCOmadrid a Irma Álvarez-Laviada, uma artista nascida em Gijón e sediada em Madrid.

A Sala Fundación ARCO acolheu um evento muito emocionante no qual a memória da sua fundadora Pilar Forcada foi recordada de uma forma muito especial por Maribel López, Director da ARCOmadrid; Marcel Pascual, Director e Patrocinador da ART Situacions; e pelo júri Lorena M. de Coral e Neus Miró. O trabalho vencedor será adicionado à colecção ART Situacions.


Martin Miller's Gin reconhece a Walden Gallery com o prémio para o melhor stand SOLO/DUO

Na sua primeira edição, o Prémio Gin de Martin Miller foi atribuído ao projecto pela artista Marta Palau exposto na galeria Walden em Buenos Aires.

O júri, formado por Rosa Ferrer (directora de Matadero Madrid) e Andrea Bellini (directora do Centre d'Art Contemporain em Genebra) anunciou o prémio na quarta-feira 23 de Fevereiro, num evento em que participaram o director da ARCOmadrid, Maribel López, e a equipa Gin de Martin Miller, Carlos Granja e Carolina Sanz.

Marta Palau (Albesa, Lérida, 1934) é uma artista espanhola, mexicana nacionalizada, reconhecida no panorama artístico internacional pelas suas tapeçarias. Ao longo da sua carreira, Palau utilizou os têxteis para desenvolver uma forma singular de expressão artística: utilizando os materiais para repensar tanto o pictórico como o escultórico.


Junho Crespo, vencedor do V Prémio de Arte Catalina D'Anglade ARCOmadrid

Na quinta-feira, 24 de Fevereiro, na ARCOmadrid, foi atribuído o 5º Prémio de Arte Catalina D'Anglade, um dos mais inovadores projectos de apoio à arte no panorama artístico espanhol. June Crespo (Pamplona, 1982) foi a vencedora desta nova edição com a sua obra Cuando nuestros ojos se tocan. Consiste em duas tampas fundidas directamente em aço que incorporam partes do processo de fundição, tais como sprues e revestimento cerâmico.

"Os dois elementos soldados juntos e ancorados na parede funcionam como recipientes virados um para o outro, gerando um espaço vazio activo entre eles, como o espaço entre duas mãos, duas cabeças.... O título é retirado de uma citação de Derrida: Quando os nossos olhos se tocam, é dia ou noite? Um momento concreto, quando os nossos olhares se encontram, para nos vermos a nós próprios a olhar para o outro e para nos vermos a nós próprios a olhar pelo outro. Um momento concreto que, por sua vez, abre um espaço de indefinição. Parece falar do encontro entre a visão e o tacto, das suas qualidades feitas uma só. Na peça, o que é conhecido torna-se algo mais, produz-se uma estranheza", explica Crespo.

O artista foi também convidado a participar na exposição central da Bienal de Veneza.