On Collecting

Uma conversa entre Ella Fontanals-Cisneros e Tiago de Abreu Pinto

Uma conversa entre Ella Fontanals-Cisneros e Tiago de Abreu Pinto

Ella Fontanals-Cisneros, coleccionadora cubana e membro do Conselho Internacional da Fundação ARCO, e Tiago de Abreu Pinto, curador independente e doutorado em História da Arte pela Universidade Complutense de Madrid, falam neste vídeo sobre a colecção e o projecto de Ella.

Histórico On Collecting


Uma Conversa entre Patrizia Sandretto Re Rebaudengo e Tiago de Abreu Pinto

Patrizia Sandretto Re Rebaudengo, Fondazione Sandretto Re Re Rebaudengo, Turim e Presidente do Conselho Internacional da Fundação ARCO; e Tiago de Abreu Pinto, curador independente e doutorado em História da Arte pela Universidade Complutense de Madrid, são os protagonistas de uma conversa organizada pela Fundação ARCO.


Jimena Blázquez (Montenmedio Arte Contemporáneo)

Defina a sua colecção numa palavra.
Comprometido

Uma memória feliz que se associa à arte.
As minhas primeiras aulas de história da arte quando tinha 14 anos de idade.

Que trabalho lamenta não ter comprado?
Uma cortina por Leonor Antunes

A sua primeira aquisição.
Uma pintura de um artista colombiano na ARCO.

A sua última aquisição
Uma instalação de Gabriel Chaile

Se só pudesse manter uma obra da sua colecção, qual delas seria?
Uma pintura de Alvaro Barrington.

Que museu é obrigatório que ainda não tenha visitado?
Naoshima no Japão

O que dizem sobre si as obras da sua colecção?
Penso que a selecção das obras demonstra um compromisso com as preocupações sociais e intelectuais do nosso tempo.

Se pudesse levar uma obra de um museu, qual escolheria?
Uma pintura de Picasso do período azul.

Com que artista iria jantar?
Marina Abramovic

O que se procura numa obra de arte?
Intensidade, que é universal, cheio de generosidade e que fala de realidades.

Uma anedota da ARCO.
Quando fui com o dinheiro que tinha poupado durante um ano inteiro no meu primeiro emprego para comprar uma obra de arte.

O que espera dos donos de galerias?
Bons conselhos, honestidade e compromisso para com os artistas que representam.

O que é que não se pode suportar no mundo da arte?
Especulação

Um livro sobre arte.
Ouro Branco pelo artista Edmud Le Waal.

Um trabalho que o faz feliz?
El Paseo de Wilfredo Prieto

Uma dica para comprar arte.
Compre o que quiser, não o que lhe dizem para comprar.

Tem um objectivo para a sua colecção?
Continuar empenhado, apoiando os artistas da minha geração.

Nascida em 1974 em Cádiz, Jimena Blázquez Abascal passou a sua adolescência entre Cádiz e Madrid. Aos 18 anos, foi estudar História da Arte em diferentes cidades europeias (Itália, Londres e Paris). Desde então, concentrou a sua investigação no campo da arte contemporânea, continuando os seus estudos académicos com um mestrado e um doutoramento na Universidade de Cádis, centrados na recuperação de espaços abandonados através da cultura e da arte contemporânea. A sua carreira profissional começou no Museu Picasso em Paris, consolidando a sua carreira no gabinete de consultoria de arte do perito Marc Blondeau, onde colaborou com coleccionadores europeus e americanos de renome, bem como com importantes galerias de arte contemporânea.

Em 2000 foi o ano em que focou definitivamente a sua carreira profissional na criação da Fundação NMAC em Vejer de la Frontera (Cádiz). Desde então, tem curadoria de mais de 45 projectos específicos de artistas jovens proeminentes e estabelecidos como Sol Lewitt, Marina Abramovic', Roxy Paine, Maurizio Cattelan, Susana Solano, Pilar Albarracín, Santiago Sierra, Olafur Eliasson, Jacobo Castellano e James Turrell, promovendo as carreiras de muitos deles após os seus projectos na Fundação NMAC.

Ao mesmo tempo, trabalhou na publicação de vários catálogos e participou em seminários internacionais. Em 2003 combinou o seu trabalho na Fundação NMAC com uma curadoria no centro de arte contemporânea PS1/ MOMA em Nova Iorque, onde comissariou numerosas exposições de artistas internacionais, incluindo a exposição dedicada à arte espanhola mais emergente comissariada pelo prestigioso curador Harald Szeemann. O seu intenso trabalho na Big Apple culminou em várias exposições de jovens artistas nunca antes exibidas nos Estados Unidos, bem como em contribuições regulares para várias revistas, publicações e seminários. Ao regressar, reorientou o seu trabalho para a direcção da Fundação NMAC e para o novo programa de actividades, exposições e edições. Em 2009 foi nomeada Jovem Líder Global pelo Fórum Económico Mundial pelo seu empenho na disseminação da cultura e educação como instrumento básico para o diálogo entre civilizações. No mesmo ano, ela curou um dos projectos mais importantes do artista americano James Turrell na Fundação NMAC. Participa regularmente em conferências e seminários. É membro do ICOM, e membro do conselho de administração da fundação ARCO.


Entrevista 1

Frances Reynolds, fundadora e directora do Instituto Inclusartiz; e Tiago de Abreu Pinto, curador independente e doutorado em História da Arte pela Universidade Complutense de Madrid, são os protagonistas de uma conversa organizada pela Fundación ARCO.