Notícias

Lisboa, Capital da Arte Contemporânea

ARCOlisboa, organizada pela IFEMA, aberta ao público entre 18 e 21 de maio na Cordoaria Nacional

Depois do sucesso do ano passado, a ARCOlisboa 2017 inaugura a sua segunda edição com a participação de galerias, colecionadores e profissionais do circuito internacional. 58 galerias, de 13 países, participam na edição deste ano, das quais 50 integram o Programa Geral e 8 o novo programa Opening, dedicado a jovens galerias com menos de sete anos de existência. Por ocasião da Lisboa Capital Ibero-americana da Cultura 2017, realizar-se-á, pela primeira vez em Portugal, o encontro dos Museus da Europa e do Espaço Ibero-americano. A Feira conta com o apoio da Fundação EDP, da Câmara Municipal de Lisboa, do Ministério da Cultura, da EGEAC, do Turismo de Portugal e do Turismo de Lisboa, entre outras instituições públicas e entidades privadas.

18 abr 2017

O mundo da Arte Contemporânea volta a por os olhos na capital portuguesa com a realização da segunda edição da ARCOlisboa, organizada pela IFEMA, que terá lugar entre os dias 18 e 21 de maio na Fábrica Nacional da Cordoaria. A qualidade dos conteúdos e a aposta em projetos de excelência das 58 galerias participantes, de 13 países, são os objetivos primordiais da ARCOlisboa 2017, que voltará a converter-se no grande evento artístico e social da capital portuguesa, somando às atividades da Feira uma importante programação artística e cultural na cidade, que atrairá o interesse de colecionadores internacionais, de reputados profissionais e do público em geral. 

O Programa Geral acolherá 50 galerias selecionadas pelo Comité Organizador, das quais 58% são estrangeiras, e que contará com a representação das galerias mais importantes de Portugal, tanto de Lisboa, com Cristina Guerra, Pedro Cera ou Vera Cortês, como da cidade do Porto, com Murias Centeno, Quadrado Azul – ambas com sede também na capital -, Fernando Santos ou Pedro Oliveira, e outros interessantes projetos de Braga - Mário Sequeira - e Açores - Fonseca Macedo. De referir também a participação internacional com a presença de galerias como Elba Benítez, Juana de Aizpuru, Giorgio Persano, Nueveochenta, Vermelho, Monitor, Zak Branicka, entre outras. Sob o conceito de Artista Destacado, os visitantes centrarão as atenções em torno das obras que abarcam as vanguardas históricas, os clássicos contemporâneos e a arte atual.

Uma novidade na edição deste ano passa pela introdução na ARCOlisboa 2017 de uma nova secção com curadoria – Opening -, que contará com a participação de 8 galerias nacionais e internacionais com menos de sete anos de existência, selecionadas por João Laia, escritor e curador português. Desta forma, o programa mostrará alguns dos nomes mais promissores da cena das jovens galerias portuguesas como Francisco Fino, Hawaii-Lisbon, Madragoa ou Pedro Alfacinha, em diálogo com outras galerias internacionais como Bwa Warszawa, Dürst, Britt & Mayhew, José García ou Narrative Projects. 

Assim, a Feira contará com artistas emergentes representados na secção Opening como Renato Leotta ou Karlos Gil bem como criadores de renome internacional como Erwin Wurm, José Pedro Croft, João Louro, Sergio Vega, Nathaniel Mellors, Carlos Garaicoa, juntando peças mais clássicas dos mestres contemporâneos – Picasso, Vieira da Silva, entre outros -, em galerias como Leandro Navarro, João Esteves de Oliveira ou José de la Mano.

Paralelamente ao programa galerístico, a ARCOlisboa acolherá também a presença de editoras e livrarias portuguesas independentes no espaço As tables are shelves, sob a seleção de Luiza Teixeira de Freitas e Ana Baliza. Este espaço pretende descobrir novos conteúdos editoriais e será complementado com a presença de outras revistas e publicações nacionais e internacionais relacionadas com a Arte Contemporânea. 

Durante o mês de maio, Lisboa converte-se numa cidade virada para a Arte Contemporânea cujo entusiasmo une o apoio concedido à Feira pela Câmara Municipal de Lisboa, pela Fundação EDP, pelo Ministério da Cultura, pela EGEAC, pelo Turismo de Portugal e pelo Turismo de Lisboa, entre outras instituições, centros de arte e galerias com diferentes exposições e eventos, que propiciam oportunidades de encontro entre os participantes e os convidados da ARCOlisboa. A Feira coincide ainda com um momento de especial dinamismo na cena artística portuguesa, como o novo espaço do Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT) da Fundação EDP, novas galerias e novos espaços independentes.

Fórum e Encontros Profissionais

A Feira organiza, paralelamente, um programa de debate e reflexão em torno da atualidade criativa. O Fórum, que congregará destacados profissionais de mais de 20 países, pretende realizar várias conferências e conversas.

Nesta ocasião, o ARCOlisboa Fórum promove as Master Talks, sessões abertas ao público, com três Master Class pela mão de Manuel Borja-Villel, James Lingwood e Hans Ulrich Obrist, apresentadas por Filipa Oliveira, que terão lugar no auditório da Casa da América Latina, espaço situado a escassos metros da Cordoaria Nacional.

Por outro lado, a ARCOlisboa acolherá outras apresentações, coordenadas por Miguel Amado e Ana Cristina Cachola, intituladas Em que estou a trabalhar? nas quais mais de 20 profissionais internacionais partilharão informação sobre os seus atuais e futuros projetos. As sessões contarão ainda com a participação de João Ribas; Abdellah Karroum; Aveline de Bruin; Manuel Segade; Jesse James; Benjamin Weil; Marta Gili; Luísa  Santos; Nicolas de Oliveira; Markéta Stará Condeixa; Martha Kirszenbaum; Guilherme  Blanc; Julia Charlton; Martim Dias; Pedro Gadanho; Atlas Projectos; Raphael Chikukwa; Filipa Oliveira; Margarida Mendes;  María Mercedes González; Bomi Odufunade; Vera Appleton; Bruno Leitão; David Cabecinha y Susana Pomba, entre outros.

Tendo como mote a nomeação de Lisboa como Capital Ibero-americana da Cultura 2017, realizar-se-á, pela primeira vez em Portugal, o Encontro de Museus da Europa e do Espaço Ibero-americano, conduzido por Juan Gaitán e Pedro Gadanho, que trará mais de 20 diretores e curadores de prestigiadas instituições dos dois lados do Atlântico. Este encontro privado terá como tema A ideia e o papel do museu contemporâneo, e contará com a participação de profissionais como Stephane Aquin – Hirshhorn, Washington, Julia Charlton - WAM Wits Art Museum, Joanesburgo; Iwona Blazquez Whitechapel, Londres; Raphael Chikukwa - National Gallery of Zimbabwe, Harare; Suzanne Cotter -Museu Serralves, Porto; Barbara Coutinho - Museu do Design e da Moda, Lisboa; Penelope Curtis - Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; João Fernandes – Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, Madrid; Marta Gili - Jeu de Paume, París; María Mercedes González – MAAM, Medellín; Stefan Kalmár - Institute of Contemporary Art, Londres; Abdellah KarroumMATHAF Arab Museum of Modern Art, Doha; Evendro SallesMAR, Rio de Janeiro; Dirk Snauwaert WIELS, Bruxelas; Joana Sousa MonteiroMuseu de Lisboa, Lisboa; Benjamin Weil Centro Botín, Santander. 

Também João Laia presidirá a outro encontro, à porta fechada, com 8 curadores internacionais como Gudny Gudmundsdottir; Lissa Kinnaer; Martha Kirszenbaum; Kestutis Kuizinas; Steven Op de Beeck; Yve Stevenheydens. A ARCOlisboa será ainda palco de outras interessantes sessões onde se encontrarão profissionais como Rosario Peiró - Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía -, Miguel von Hafe - curador independente - e Manuela Villa – Matadero Madrid -, entre outros. 

Coleccionadores e outros profissionais

A ARCOlisboa tem realizado um esforço especial em ações de promoção internacional – junto da imprensa nacional e estrangeira; presença de publicidade e com um programa de compradores e prescritores convidados, que trazem a Lisboa mais de 120 convidados - colecionadores, diretores de instituições, curadores e outros profissionais internacionais do mundo da arte.

Esta estratégia está a impulsionar a importante plataforma portuguesa do mercado da arte e contará com a presença de profissionais assim como colecionadores patronos e membros dos museus de S.M.A.K e da Kunsthaus Zürich

Apoio do setor privado

A ARCOlisboa 2017 conta com o apoio do setor privado e de instituições públicas que apostaram nesta Feira através de patrocínios em diferentes áreas como a Fundação EDP e o MAAT, para além de outras marcas como Ruinart; illycaffè; Audi; Renova; Adico, que participarão em diferentes atividades.  

A Cordoaria Nacional

A Cordoaria Nacional, considerada um dos exemplos mais notáveis da arquitetura industrial do século XVIII, volta a oferecer um cenário único que, para além de se adequar à dimensão dos stands, permite uma fácil circulação pela Feira. Este ano, a ARCOlisboa expande-se para os pátios do edifício criando espaços de reunião, de restauração e de realização de atividades. Do mesmo modo, contará, uma vez mais, com a Sala Vip, espaço que combinará o contemporâneo e o vintage, com um cuidado serviço de restauração. Para além disso, a Feira está situada no novo enclave da Arte Contemporânea, com o MAAT e a exposição da coleção do Museu Serralves, a poucos metros de distância.

Exposições em Lisboa

Durante cinco dias Lisboa será a capital da Arte Contemporânea com a celebração da Feira e a visita aos melhores museus, instituições e coleções da cidade, que terão patentes várias exposições, entre as quais se destacam: Utopia / Dystopia - comissariada por João Laia -, de artistas como Carlos Garaicoa, Ana Pérez-Quiroga e João Onofre, no MAAT -Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia -; Pedro Neves Marques no Museu Coleção Berardo; José Pedro Croft, no Chiado 8 – Espaço Fidelidade arte contemporânea / Mace-; Paloma Bosque, no Pavilhão Branco – EGEAC -; Almada Negreiros e Manuela Marques, no Museu Calouste Gulbenkian; Julião Sarmento, Helena Almeida, Jorge Molder, Alberto Carneiro, na Culturgest; Francisco Tropa, na Fundação Carmona e Costa. Outros espaços apresentarão a obra de artistas como Jorge Martins, Vieira da Silva, Arpad Szénes, Ana Vidigal, no Museu Arpad Szénes Vieira da Silva; Pedro Cabrita Reis, no Pavilhão 31 – no Hospital Psiquiátrico Júlio de Matos.

No âmbito da Feira somam-se ainda as coleções da Fundação Leal Rios, do Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, bem como a exposição O olhar do artista: obras da Coleção de Serralves, com obras da coleção Serralves, que terá lugar no Torreão Nascente da Cordoaria Nacional.

Também a cena independente da cidade apresentará propostas de grande qualidade com exposições de Emily Roysdon, na Kunsthalle Lissabon; Noé Sendas e Jacobo Castellano, na Appleton Square, Vitor Palla e Bento d'Almeida, na Garagem Sul – CCB Fundação Centro Cultural de Belém -, entre outros. 

Como parte da programação, cada manhã – entre 17 e 21 de maio -, numa das zonas de galerias da cidade, celebrar-se-á a abertura especial e o brunch das Galerias da ARCOlisboa. 

A ARCOlisboa 2017 estará aberta ao público de 18 a 21 de maio, das 12h00 às 20h00h (até às 18h00h no último dia).