Inicio  >  Imprensa  >  Notas de imprensa

  A ARCOlisboa 2018 reforça e expande os seus conteúdos

Foto A ARCOlisboa 2018 reforça e expande os seus conteúdos

Cordaria Nacional. 17-20 maio

Na terceira edição da feira o número de galerias presentes aumenta para 72, oriundas de 14 países, o que representa um crescimento de 22,5%.

Novos horários de abertura, mais adequados aos ritmos de Lisboa: 17 a 19 de maio, das 14 às 21 horas e no domingo, 20 de maio, das 12 às 18 horas.

De 17 a 20 de maio Lisboa estará no centro das atenções de colecionadores, galerias, artistas e profissionais da arte de todo o mundo. A IFEMA e a Câmara Municipal de Lisboa unem-se para celebrar a ARCOlisboa 2018 na Fábrica Nacional da Cordoaria; a terceira edição de um evento que se consolida como o grande encontro da arte contemporânea em Portugal. A descoberta de novos artistas, novos lugares e novas pessoas são os grandes motores da ARCO e a ARCOlisboa deste ano tem novidades para todos os públicos.

Esta nova edição representa uma consolidação do projeto, uma confiança que permite aumentar para 72 o número de galerias presentes, oriundas de 14 países, o que representa um crescimento na ordem dos 22,5%.

Este crescimento resultará em novos conteúdos, tais como os projetos individuais de artistas que pela primeira vez ocuparão o Torreão Poente, apresentando a obra de 10 artistas portugueses e internacionais em profundidade. Entre eles, Esther Ferrer com Àngels Barcelona, José Carlos Martinat com Revólver ou Mónica de Miranda com Carlos Carvalho.

Opening, o espaço dedicado a galerias jovens que este ano celebra a sua segunda edição, apresentará 12 projetos selecionados, novamente, pelo curador João Laia. As novas adesões provêm tanto de Lisboa, com a presença da Balcony e Uma Lulik, como do estrangeiro, com galerias como a Rolando Anselmi (Berlim/Roma), Bombon (Barcelona) ou Copperfield (Londres).

A secção principal da ARCOlisboa mantém as dimensões da edição anterior, com a presença de 51 galerias. A arquitetura conserva a estrutura central completamente aberta ao exterior, permitindo que a luz natural banhe o espaço e converta a visita numa experiência única. A par das principais galerias portugueses que têm estado com o projeto desde o inicio, poderemos encontrar novas galerias como a Krinzinger (Viena), Helga de Alvear (Madrid), Carreras Mugica (Bilbau), Millan (São Paulo) ou Greengrassi (Londres), que apresentarão pela primeira vez os seus projetos na feira.

Outra iniciativa que está presente na ARCOlisboa desde o primeiro dia, e que este ano terá um protagonismo especial, é a Tables Are Shelves, a feira de editoras independentes comissariada por Luiza Teixeira de Freitas. Esta seleção de editoras especializadas em publicações de artistas e outras publicações em papel cresce e vai ocupar também uma das salas do Torreão Nascente. Este projeto especial é uma oportunidade única para começar a colecionar a partir de obras em edições múltiplas, que permitem que o colecionador comece a aproximar-se da arte e das ideias que movem os criadores.

FÓRUNS E ENCONTROS PROFISSIONAIS
Falar sobre arte e colecionismo será um dos principais eixos discursivos desta edição da ARCOlisboa, materializado numa série de apresentações, de acesso livre e gratuito, que contam com a participação de profissionais de renome.
O Torreão Nascente da Cordoaria Nacional acolherá, sob a direção da critica Isabel Carlos e com o apoio da Fundação Millenium BCP, o Fórum de Colecionismo que permitirá conhecer melhor os motivos e as formas através das quais importantes colecionadores conduzem o seu apaixonante trabalho.Estas sessões contarão com a participação de colecionadores como Jean-Conrad & Isabelle Lemaître, Harald Orneberg, Inge de Bruin, Paulo Pimenta, Luiz Augusto Teixeira de Freitas e Armando Cabral.

Por outro lado, o Fórum Museus analisará as semelhanças e as diferenças entre as programações de museus portugueses e estrangeiros. As conversas terão a participação de Rita Lougares – Museu Coleção Berardo -, Adina Kamien Kazhdan – The Israel Museum – Jorge Catarino – Museu Coleção Berardo -, Vitor Pires Vieira – artista -, João Ribas – Museu de Arte Contemporânea de Serralves -, Kate Fowle – Garage Museum os Contemporary Art & Independent Curators International-, Luis Silva e João Moura – Kunsthalle Lissabon -, Fernanda Brenner – Pivô Arte e Pesquisa -, Alex Klein – ICA University of Pennsylvania - , e Samuel Leuenberger- SALTS.

Adicionalmente, coordenadas por Filipa Oliveira, teremos as sessões Em Que Estou a Trabalhar, que terão lugar no Pátio Nascente da Cordoaria, reunindo profissionais portugueses na partilha dos seus projetos atuais e futuros. Este programa contará com a participação de nomes como Carlos Antunes  - Bienal de Coimbra -, John Romão –BoCa, Bienal of Contemporary Arts -, José Bártolo – Bienal de Design do Porto -, Aires de Gameiro, Hugo Gomes, Nuno Ferreira e Pedro Cabrita e Paiva – Las Palmas-, Alice Dusapin e Martin Laborde – Ampersand -, Natxo Checa – Galeria Zé dos Bois -, Filippo De Tomasi, Kasia Sobczak-Wróblewska e Orsola Vannocci Bonsi – Da Luz Collective -, Alexandra de Cadaval, Philippe Boutte, Esther Mahlangu – Évora África -, e Benedita Pestana – O Armário.

A estreita colaboração entre a ARCOlisboa e a Fundação EDP volta a dar frutos com a realização do II Encontro de Museus da Europa e da Ibero-América, dirigido por Pedro Gadanho, diretor do MAAT, e Ferran Barenblit, diretor do MACBA, Museo de Arte Contemporáneo de Barcelona. Uma sessão fechada ao público que reunirá mais de 20 diretores e curadores de instituições de prestígio de ambos os lados do Atlântico; nomes como Enrique Aguerre -Museo Nacional, Montevideu, Caroline Dumalin –WIELS, Bruxelas-, Andrés Duprat -Museo Nacional de Bellas Artes, Buenos Aires-, Isabella Lenzi –Camões, São Paulo-, João Ribas -Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Porto-, Virginia Roy -MUAC Museo Universitario Arte Contemporáneo, Cidade do México-, Nicolaus Schafhausen -Kunsthalle Wien, Viena-, Claudia Segura -NC-arte, Bogotá-, Roberta Tenconi -Hangar Bicocca, Milão-e  Benjamín Weil -Centro Botín, Santander-.

COLECIONADORES E PROFISSIONAIS
A ARCOlisboa fez um esforço especial focado em diferentes ações de promoção internacional —imprensa nacional e estrangeira; publicidade exterior — mas também um programa de compradores e agentes do mundo da arte convidados, que trará a Lisboa mais de 190 convidados — entre colecionadores, diretores de instituições, curadores e outros profissionais internacionais do mundo da arte.
Uma estratégia chave para impulsionar esta importante plataforma portuguesa do mercado da arte, que contará com a presença de profissionais, colecionadores e mecenas membros de museus como o
Musée d'art Moderne et Contemporain Genève; MALBA -Buenos Aires-; Museo Guggenheim –Bilbau-; Palais de Tokyo –Paris-; Parasol Unit –Londres-; Pérez Art Museum –Miami-; San Diego Museum of Art; Jeu de Paumme –Paris-.

AMIGOS DOS MEUS AMIGOS
Todos os conteúdos presentes na feira, para os quais galerias, curadores, diretores de instituições e colecionadores trabalham com tanto esforço, não fariam sentido se não encontrassem eco na sociedade. Nesta sua terceira edição, a ARCOlisboa quer colocar uma ênfase especial na dinamização de novos públicos. Neste sentido, Sílvia Escórcio, em colaboração com museus como o MAAT, Museu Coleção Berardo, Museu Serralves, Centro de Arte Quetzal, Museu Calouste Gulbenkian, Museu de Arte Contemporânea de Elvas, entre outros, e como as principais escolas e universidades de arte do país, desenvolverá um programa especial para aproximar o público à arte contemporânea e à sua importância como catalisador do pensamento do presente e da sua projeção para o futuro. Esta é uma iniciativa à qual se associam os Amigos de museus estrangeiros como Museo Guggenheim Bilbao, Museo Reina Sofía e Museo del Prado.

APOIO DA INICIATIVA PRIVADA
A ARCOlisboa 2018 conta com o apoio da iniciativa privada e de importantes empresas e instituições  através de ações de patrocínio de diferentes zonas ou iniciativas da Feira. Para além do apoio da Câmara Municipal de Lisboa, esta edição conta com a colaboração institucional do Governo da República Portuguesa; da Direção Geral das Artes; EGEAC; Marinha; Turismo de Portugal; Turismo de Lisboa, o mecenato da Fundaçâo EDP, assim como da Fundação Millenium bcp; Navigator Art on Paper; Rom; Ruinart e illy, entre outras.

PÚBLICO GERAL E ESPAÇOS DE DESIGN
Sempre atenta à cidade, a Feira muda os seus horários de abertura de forma a melhor se ajustar aos ritmos de Lisboa. O horário de abertura ao público entre 17 e 19 de maio será das 14 às 21 horas e, no dia 20, das 12 às 18 horas. Para facilitar o acesso a um maior número de visitantes, o preço da entrada normal será de 15 euros e 5 euros para estudantes. Adicionalmente, para tirar o máximo proveito da sua visita poderá fazer o download do catálogo da Feira em arcolisboa.com.

Pela primeira vez, teremos um espaço dedicado aos mais pequenos, no domingo, dia 20, com os workshops ARCOkids que, criados por Operação Nariz Vermelho, aproximarão as crianças do mundo da arte contemporânea.

Harmonizar a arquitetura da feira com o edifício que a abriga é um dos desejos da ARCOlisboa.
A Cordoaria Nacional, um dos mais notáveis exemplos da arquitetura industrial do século XVIII, estará ligada, durante este evento, à arquitetura mais contemporânea do país. Graças a uma colaboração com a Trienal de Arquitetura de Lisboa, os visitantes poderão desfrutar de um novo espaço de restauração, Viaticus, criado pelo Atelier JQTS em colaboração com Daniel Maio e com o artista Carlos Nogueira, cuidadosamente projetado para o edifício e para os participantes da ARCOlisboa. Adicionalmente, a feira terá cafés e bares abertos ao público e um lounge privado especial projetado por Gracinha Viterbo.

EXPOSIÇÕES EM LISBOA
A ARCOlisboa não estará limitada ao espaço físico da Cordoaria. A cidade oferece um enquadramento singular que eleva o vigor artístico do projeto da feira. Os seus diferentes espaços e instituições oferecem uma programação que permitirá que os visitantes estrangeiros entendam porque é que a cena artística portuguesa se encontra num momento de tanta efervescência. As exposições individuais nas principais instituições da cidade são um exemplo da boa saúde da cena cultural portuguesa e da forma natural como os artistas nacionais dialogam com os principais criadores internacionais.

Deste modo, entre as exposições individuais encontramos as que o MAAT dedicará a Tomás Saraceno e Miguel Palma; a Culturgest a Michael Biberstein; a Fundação Carmona e Costa a Julião Sarmento; Kunstalle Lissabon a Sol Calero; ou o Pavilhão 31 a Jorge Molder. Outros projetos apresentarão um diálogo a muitas vozes entre artistas portugueses e internacionais, com destaque para a exposição PÓS-POP no Museu Calouste Gulbenkian, com a participação de Teresa Magalhães, Eduardo Batarda, Ana Vieira, António Palolo, Nikias Skapinakis, Ruy Leitão, Menez e Allen Jones.

A presença de coleções será outro dos grandes focos de interesse. A Câmara Municipal de Lisboa apresentará no Torreão Nascente as suas aquisições de 2016 e 2017, e o Museu Coleção Berardo mostrará a exposição No Place Like Home, uma seleção de obras da coleção do Museu de Israel.

ARCOlisboa 2018, organizada pela IFEMA e Câmara Municipal de Lisboa, terá lugar na Cordoaria Nacional entre 17 e 20 de maio, com abertura ao público das 14 às 21h, e das 12 às 18h no último dia.

Imprimir:

 

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
Avanzar